Este homem mantinha 29 bonecas em seu apartamento, mas quando os policias descobriram a verdade ele foi preso imediatamente

8 de abril de 2017

Em novembro de 2011 esse horrendo foi descoberto pela polícia da Rússia...
 
Em novembro de 2011 a polícia local  foi até o apartamento Anatoly Moskvin, em Nizhny Novgorod, na Rússia.
A princípio os policiais queriam apenas alguns conselhos sobre o caso no qual estavam trabalhando por ele ser um acadêmico, autor e especialista em história de cemitérios bem conhecido. 

Entretanto após vasculhar seu apartamento os policiais ficaram intrigados, e pouco depois um dos crimes mais deturpados e intrigantes da história da Rússia foi revelado.

O homem de 45 anos vivia em um apartamento pequeno com prateleiras em todas as paredes, cheias de livros, roupas coloridas de crianças e brinquedos. Eram os brinquedos e as roupas que levantaram suspeitas. Por que um homem sem filhos teria essas coisas em casa?  Em um quarto, a polícia encontrou diversas bonecas em tamanho real, que tinham sido cuidadosamente vestidas e colocadas no sofá, nas cadeiras e no chão.

O cheiro e a aparência estranha das bonecas chamou a atenção da polícia. Quando eles olharam mais de perto, eles fizeram uma descoberta assustadora.  Eles descobriram que as bonecas não eram bonecas afinal: elas eram corpos mumificados!  


Ele vestia as crianças mortas em meias, roupas femininas e botas de joelho para fazê-las parecer bonecas. Ele até mesmo aplicou batom para deixa-las mais reais.

Anatoly foi preso imediatamente, e seus crimes bizarros foram revelados para todo o país.  Por cerca de 10 anos o homem escavava e retirava os cadáveres de jovens garotas de suas covas.  Ele as levava para casa e tentava mumificá-las, mas, quando o embalsamento não funcionava, ele as levava de volta e as colocava novamente em seus túmulos.


Anatoly cooperou com as investigações e revelou a polícia ter escavado cerca de 150 túmulos e que desses 150 apenas 29 eram mantidos com ele pois havia tido sucesso na sua mumificação.
O homem ficou conhecido como "O fazedor de bonecas" e seu hobby horripilante ficou conhecido não somente na Rússia mais em boa parte do mundo todo.
Ele preparava máscaras de cera para as múmias e pintava seus rostos com esmalte de unha. Ele as vestia e tomava chá ou celebrava festas de aniversário com elas. Ele até instalou mecanismos de fala em algumas das "bonecas" para torná-las mais vivas. Mas Anatoly insistia que nunca tinha feito nada sexual com suas "meninas", mas tinha simplesmente tentado dar-lhes o presente da vida eterna.

Antes da polícia conseguir identificar os corpos, uma mulher chamada Natalia Chardymova os contatou. Ela tinha visto imagens do apartamento de Anatoly no noticiário e reconheceu uma das múmias: sua filha Olga, de 10 anos, que tinha morrido um ano antes.  Durante a investigação, Anatoly foi questionado sobre a sua fascinação sombria com múmias. Ele contou que, aos 13 anos, tinha perdido uma amiga próxima, Natalia, de 11 anos. Ele tinha ido ao seu funeral e foi forçado a dar um beijo de despedida na menina morta. Foi uma experiência que afetou profundamente sua mente. 

Os crimes de Anatoly chocaram todo o país e causaram indignação e revolta nas famílias das crianças envolvidas. Uma vez que tiveram que passar pela dor e sofrimento de enterrar seus filhos pela segunda vez. 
Apesar dos crimes, a promotoria se recusou a condenar Anatoly após ele ser declarado incapaz de enfrentar o julgamento por causa de sua esquizofrenia paranoica.
 

Anatoly foi confinado em um instituto psiquiátrico, onde continua internado até os dias de hoje. O perturbador caso do "Fazedor de Bonecas" chocou o mundo todo. A história parece um filme de terror, mas é cruelmente verídica.
A única notícia boa em tudo isso, é que finalmente as vítimas de Anatoly puderam descansar em paz. 




Imprimir